NORTH MUSIC FESTIVAL ’19

A música regressou à Alfândega do Porto. Durante 2 dias houve concertos para pais e filhos, num ambiente festivo que juntou a linguagem universal (música) à grande paixão desportiva.

A final da Taça de Portugal – edição de 2019 – foi disputada no segundo dia do North Music Festival, havendo lugar a transmissão desportiva em ecrã gigante.

A primeira atuação coube aos portugueses Expensive Soul que celebraram com o (seu) público o 20º aniversário da banda.

Galeria completa no

Seguiu-se Emir Kusturika com a No Smoking Orchestra. O músico realizador trouxe ao palco da Alfândega toda a sua energia e boa disposição da música Gipsy, com um travo a rock, que animou o público para os Cabeça de Cartaz.

Galeria completa no

O primeiro dia do North Music Festival termina ao som dos emblemáticos Bush. Gavin Rossdale fez questão de partilhar com o público, muito do pouco espaço existente entre a multidão.

Desceu do palco e andou pelo meio dos (e em especial das) fãs que deliraram com a presença do líder da banda americana. Esta louvável atitude começou no seu antecessor Emir Kusturika e prolongou-se no dia seguinte.

A prova de que o North Music Festival é uma festa com o público e não para o público.

Galeria completa no

O segundo dia do North Music Festival começou, novamente, com sons nacionais. Primeiro com os Glockenwise e depois com os Capitão Fausto, as hostes foram abertas para uma noite de muita música.

Os Capitão Fausto vinham ao North Music Festival apresentar o seu mais recente disco “A Invenção do Dia Claro”: letras de músicas como Sempre Bem ou Boa Memória ecoaram por todo o recinto, já que a casa cada vez se ia mais amontoando naquele início da noite.

Galeria completa no

Os Bastille vinham com um trabalho de casa preparado e trouxeram consigo vários adereços e artimanhas para aguçar o apetite dos festivaleiros. Houve músicas mais sentidas com Dan Smith sentado num sofá, outras mais especiais com o vocalista em cima de um escadote de três metros. As músicas “The things we lost in the fire” e a psicadélica “Happier” deram um ânimo aos jovens fãs que estavam ali nas primeiras filas do espetáculo.

Galeria completa no

Os Franz Ferdinand vinham com a classe que os habituou, em especial o mítico vocalista que veio ao seu estilo british, casual chic de Glasgow. Imagens a preto e branco davam uma cor minimalista de fundo e as guitarradas deram força aquela hora e meia de concerto, que começou já depois da meia noite.

Galeria completa no

GOSTOU? PARTILHE...

Share on facebook
Partilhe no Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Partilhe no Linkdin
Share on pinterest
Partilhe no Pinterest

deixe um comentrário